90% dos brasileiros estão protegidos contra falta de iodo, diz pesquisa

sal iodadoMais de 90% dos brasileiros estão protegidos contra distúrbios por deficiência de iodo, como o bócio, cretinismo e comprometimento mental, conforme resultados da Pesquisa Nacional para Avaliação do Impacto da Iodação do Sal. Só 9,7% apresentam déficit desse nutriente no organismo, dos quais apenas 0,5% tem déficit grave, enquanto nos demais ele é moderado ou leve. O resultado pode dar ao Brasil a certificação de erradicação virtual de doenças causadas por deficiência de iodo. De outro lado, a pesquisa mostrou que 44,6% da população consome iodo em quantidade acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

A fortificação do sal com iodo é uma política pública iniciada na década de 1950 e o monitoramento subsidia as revisões na taxa de iodação quando necessárias. A pesquisa, concluída em 2016, avaliou a presença de iodo na urina de cerca de 19 mil estudantes com idade entre seis e 14 anos de escolas públicas e privadas em 477 municípios. Foram analisados os dados coletados em duas fases, a primeira entre 2008 e 2009, a segunda entre 2013 e 2014. O resultado mostrou que 9,7% das amostras tinham déficit, sendo 6,9% considerados leves. Outros 20,4% tinham taxa de iodo adequada e 69,8% apresentaram o nutriente em excesso – acima de 200 microgramas por litro.

De acordo com o coordenador de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Eduardo Augusto Fernandes Nilson, a pesquisa confirma o impacto da iodação do sal na prevenção e controle dos distúrbios por deficiência de iodo, reforçando os avanços do país no combate a essas carências. Conforme a OMS, somente quando o déficit do nutriente atinge mais de 20% da população isso se torna um problema de saúde pública. Segundo ele, o resultado credencia o país a receber o certificado internacional de eliminação dos distúrbios por deficiência de iodo em seu território. “Essa questão, agora, será tratada pelo Ministério com a OMS”, disse.

Conforme a pesquisa, em nenhuma unidade da federação, a média de iodo estava abaixo do ponto de corte indicador de deficiência pela OMS, mas foram notadas diferenças entre regiões. Em Estados da região norte e centro-oeste, por exemplo, houve um grau maior de deficiência em comparação com as outras. Para o pesquisador Juraci Cesar, da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), um dos responsáveis técnicos pela pesquisa, o fato pode ser explicado pelo uso culinário do sal destinado à nutrição do gado, que não é iodado. Estados como Mato Grosso, Tocantins, Goiás e Maranhão são grandes criadores de gado.

Muito iodo –  pesquisa mostrou que, dos 69,8% com mais iodo que o necessário, 44,6% o tinham acima de 300 mg/kg, o que também pode ser prejudicial. Pesquisa realizada em 2005 pela Universidade de São Paulo (USP) concluiu que, nesse nível, o iodo pode acarretar problemas à tireoide, como a tireoidite de Hashimoto. Os maiores excessos foram encontrados em Estados do Nordeste.

De acordo com Nilson, para evitar o consumo excessivo, a taxa de iodo no sal de cozinha já foi reduzida. “Quando os primeiros resultados da pesquisa detectaram a ingestão excessiva de iodo por parte da população, a Anvisa e o Ministério da Saúde ajustaram a faixa de iodação do sal. Ou seja, reduziu-se o nível máximo permitido de iodo no sal, mas o nível mínimo ficou próximo do que era.” A taxa de iodação do sal no Brasil, que era de 20 a 60 miligramas por quilo, foi reduzida para 14 a 45 mg/kg.

Como o ajuste foi feito em 2013, com a pesquisa em andamento, o impacto deve aparecer nas próximas avaliações. Ainda assim, segundo ele, os estudos demonstram que a carência de iodo é mais prejudicial à saúde que o excesso. “Evidências mais recentes provam a associação da deficiência de iodo na gestação à redução do QI (quociente de inteligência) das crianças, em função da importância do nutriente na formação neurológica do bebê.”

Em comunicado sobre a redução do iodo no sal, a Federação Latino Americana de Endocrinologia (Felaen) defendeu a iodação. De acordo com o Departamento de Tireoide, os problemas decorrentes da deficiência são “gravíssimos e incontestáveis”, como bócio, hipotireoidismo, surdo-mudez, retardo mental e retardo do desenvolvimento físico, enquanto em relação ao excesso, “não existem pesquisas suficientes para comprovar algum malefício à população”.

As ações para reduzir na população o consumo de sódio – o sal presente na maioria dos alimentos industrializados -, visando à prevenção de doenças cardiovasculares e renais, também podem equilibrar as taxas de iodo, mas devem ser monitoradas, segundo Nilson. “O Ministério da Saúde vem trabalhando na harmonização das políticas de redução do consumo de sódio e de prevenção da deficiência de iodo e, nisso, o Brasil é tido como um exemplo de articulação bem sucedida destas políticas.”

No mundo, a região mais protegida dessas deficiências é a América Latina, pois a maioria dos países adota a política de fortificar o sal com iodo. A pesquisa foi feita em parceria entre a FURG e a Universidade Federal de Pelotas, com acompanhamento técnico do Ministério da Saúde.

Fonte: Uol

‘‘Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.” Isaías 41:10 (clique aqui e se surpreenda)

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Notícias. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s